22 de nov de 2016

Frankentein - Mary Shelley



Narrado através do diário de bordo do capitão Robert Walton conta história de Victor Frankenstein que foi resgatado quase morto em meio ao gelo. 
Frankenstein então começou a lhe contar sobre sua história de vida e as razões que o fez parar ali, naquele estado.
Fala sobre a família e a menina órfã que a família adotou (Elisabeth) e que se tornou sua noiva após pedido da mãe dele no leito de morte.
Começou a estudar medicina, o que aumentou a sua fascinação pela morte e vida eterna.
A famosa história do médico que construiu e da vida a um homem gigante formado de partes de vários cadáveres diferentes não deve ser novidade para ninguém  já que foi tão explorada pelo cinema e o teatro. 
Mas vale ressaltar que nessas adaptações algumas coisas foram distorcidas.
O livro trás uma criatura sensível, educada, autodidata cujas razões pra sua violência firam detalhadamente explicadas. Não da pra odiar o coitado.... rs
 O livro é muito bem escrito  com vocabulário elegante do início dos anos 1800. E pensar que a autora só tinha 19 anos...
 No fim das contas se trata de um livro sobre vingança, sobre ser aceito apesar das aparências e ser amado. 

"Queria descobrir um jeito de viver para sempre nem que tivesse que dissecar a humanidade inteira"
Cap. 4
"Nenhum mortal poderia suportar o horror daquela visão"
Cap. 6
"Sou a pior entre as criaturas vivas"
Cap. 10
"A minha origem maldita esta aqui registradas  nessas folhas que sua mãe entregou a você."
Cap. 13
"Fui condenado a ser abominável e só."
Cap. 14

Ps: A criatura era amarela não verde como nos cinemas. Me senti enganada por todos os filmes baseados em Frankenstein que assisti na vida!

Nenhum comentário:

Postar um comentário